quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Vítima identifica estuprador em comércio de Samambaia

De acordo com a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), Ariston Nogueira Morais, de 23 anos, confessou ter cometido quatro estupros, em Taguatinga

Vítima de estupro, uma mulher reconheceu o autor do crime quando ele passeava próximo a um comércio, em Samambaia, na tarde dessa terça-feira (26). Assustada, ela pediu ajuda da polícia enquanto monitorava o rapaz até a chegada da corporação.
De acordo com a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), Ariston Nogueira Morais, de 23 anos, confessou ter cometido  quatro estupros na QSC 19, Setor de Mansões de Taguatinga. Os crimes aconteceram entre fevereiro a julho deste ano. 
De acordo com o delegado-chefe da 12ª Delegacia de Polícia, Moisés Martins de Sousa, Ariston pode ter cometido outros estupros, mas que por ser um crime que constrange a mulher, muitas deixam de denunciar.  “O crime de estupro inibe a denúncia da vítima, muitas vezes a mulher tem vergonha de expor a situação”, alerta Martins.
Com a prisão de Ariston, a polícia espera que outras vítimas criem coragem de registrar o boletim de ocorrência.
Reconhecimento
A mulher, que registrou a ocorrência no dia 30 de julho, foi a única vítima que conseguiu reconhecer o autor do fato. "Foi ela inclusive que ajudou na construção do retrato falado", afirma o delegado-chefe. “O mérito desta ação foi a persistência da vítima”, concluiu Martins.
Em depoimento, a vítima contou a polícia que conseguiu ver o rosto do autor no momento em que ele a violentava. Com as observações da moça foi possível fazer o retrato falado, divulgado no dia 7 de agosto. "Ariston sempre abordava as vítimas por trás, procurava proteger seu rosto, mas com ela foi diferente", detalhou o delegado.
Crime
Estuprador confesso, Ariston Nogueira Morais agia no Setor de Mansões de Taguatinga durante a noite. Ele abordava a vítima com uma faca e a levava para uma região com bastante mato, próximo a uma igreja católica, na QSC 19. Todas as vítimas alegaram que o rapaz estava sob o efeito de drogas e reportaram que em todos os quatro estupros ele usava um sapato preto. Para o delegado, “Ariston já tinha a pré-disposição para cometer o crime, a droga era apenas um combustível encorajador”.
Após ser preso foi constatado que o homem já possuía passagem pela polícia – por receptação. Ariston assumiu a autoria dos crimes e foi autuado pelo crime de estupro, podendo pegar até dez anos por caso. O juiz decretou prisão temporária de 30 dias até o término do inquérito policial.
Fonte: Da redação do Jornal de Brasília