quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Tragédia muda cenário eleitoral e causa pânico no mercado financeiro


Marina Silva, provável substituta de Campos, com possibilidade de ir ao segundo turno, estaria muito mais próxima ideologicamente de Dilma do que de Aécio, especialmente na área social

Marina Silva com Eduardo Campos: mudança no cenário político agita o mercado financeiro (Evelson de Freitas/Estadão)
O pânico no mercado financeiro logo após a informação de que o candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, morreu na aeronave que caiu em Santos na manhã desta quarta-feira, 13, reflete mais umareação involuntária de que em momentos de grande incerteza e nervosismo o melhor é vender. E não se trata propriamente de uma leitura racional do cenário eleitoral sem Campos.
O Ibovespa chegou a cair mais de 1,5% e o dólar entrou em queda, batendo em R$ 2,2630.
Mas a saída trágica e prematura do ex-governador de Pernambuco da corrida eleitoral, ao contrário do que os preços das ações e ativos em geral podem indicar, aumenta a probabilidade de um segundo turno, embora diminua a chance de acontecer a histórica polarização entre PT e PSDB.
Com o grande poder nas urnas de Marina Silva, candidata a vice-presidente na chapa do PSB, um eventual segundo turno poderá não colocar em lados opostos Dilma Rousseff e Aécio Neves, mas a candidata petista versus Marina Silva.
Já era a avaliação de investidores e analistas ouvidos por esta coluna que Marina era uma candidata mais forte do que Eduardo Campos. Primeiro, porque a ex-ministra do Meio Ambiente já é um nome muito mais conhecido do que o ex-governador de Pernambuco. Nas eleições de 2010, Marina teve o surpreendente desempenho de 20 milhões de votos ainda no primeiro turno.
Campos é mais conhecido no Nordeste e havia se mudado para São Paulo como parte do esforço de conquistar votos no Sul e Sudeste.
Campos havia perdido apoio do eleitorado nos últimos dois meses, tendo estancado no patamar abaixo de 10% da intenção de voto nas últimas pesquisas de opinião do Ibope, Datafolha e Sensus.
Isso porque o candidato do PSB tinha apostado num discurso de oposição moderada ao governo Dilma, numa tentativa de se posicionar como um candidato da “terceira via”, diferenciando-se do outro candidato de oposição mais bem colocado nas pesquisas, Aécio Neves.
“Campos não passa dos 10% das intenções de votos há algum tempo”, disse em entrevista recente a este colunista o especialista em marketing político e pesquisas eleitorais Sidney Kuntz. “Se ele (Campos) não decolar desse patamar que está atualmente num prazo de até 15 dias depois do início da propaganda eleitoral gratuita na TV, não acredito que ele possa chegar (ao segundo turno) e daí haverá o voto útil.”
No espectro ideológico, Campos poderia ser classificado entre as posições de Dilma e de Aécio.
Já Marina estaria muito mais próxima ideologicamente de Dilma do que de Aécio, especialmente na área social.
Se a ex-ministra do Meio Ambiente for, de fato, confirmada como herdeira de Eduardo Campos na chapa do PSB à eleição presidencial, seu poder de voto muito maior do que o ex-governador de Pernambuco poderá eliminar a probabilidade de que o pleito seria definido no primeiro turno, com vitória de Dilma.
“Seguramente, Marina teria mais votos do que o Campos”, afirma um economista com estreitos laços em Brasília. “Não dá para saber se ela (Marina) terá mais votos do que Aécio, mas agora a probabilidade de um segundo turno entre Dilma e Aécio já não é tão forte na cabeça dos investidores como era com Campos na cabeça de chapa.”
Do lado de empresários e investidores, Marina desagrada mais do que Campos por ter suas posições percebidas como menos “market friendly”, ou favoráveis ao mercado, especialmente quando se trata do tema “desenvolvimento econômico e respeito ao meio ambiente”.
O fato é que se Marina for confirmada como a nova candidata à Presidência da República pelo PSB mudará os cálculos de Dilma e Aécio para a campanha presidencial, incluindo o teor do programa gratuito na TV. E também os cálculos dos investidores.
Não dá para antecipar se Aécio perderá mais do que Dilma com a saída de Eduardo Campos e sua eventual substituição por Marina. As próximas pesquisas de opinião que refletirem a informação da morte de Campos poderão dar uma noção disso. Mas é fato que a ex-ministra do Meio Ambiente já
chegaria com 20 milhões de votos no seu currículo.

 Fabio Alves